brasil.gov.br
DSpace

Inmetro  >
Gestão Corporativa >
DIRAF | Meio Ambiente e Sustentabilidade >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10926/593

Title: A acreditação como ferramenta da sustentabilidade tecnológica e industrial do Brasil
Authors: Fermam, Ricardo Kropf Santos
Keywords: Acreditação
Desenvolvimento sustentável
Inovação tecnológica
Issue Date: 2010
Citation: FERMAM, Ricardo Kropf Santos. A acreditação como ferramenta da sustentabilidade tecnológica e industrial do Brasil. In: CONGRESSO INTERNO DO INMETRO, 2010, Rio de Janeiro.
Abstract: O processo acelerado de globalização atual, embora necessário e imprescindível para as relações de comércio internacionais, traz aspectos estratégicos que devem ser permanentemente avaliados. Em termos industriais, o processo de globalização é tangido pelos grandes conglomerados, sediados quase sempre, nas maiores potências econômicas do planeta que, vendo se esgotar os seus mercados tradicionais, voltam-se para outros, desenvolvendo estratégias que objetivam fundamentalmente o aumento das escalas de produção e o acesso a recursos, particularmente matérias primas e mão-de-obra, a baixos custos, procurando assim, garantir uma constante melhoria da competitividade e a presença crescente no mercado. Na verdade, o processo de globalização é, por natureza, ao mesmo tempo includente e excludente. Includente, porque traz para o contexto mundial, países até então não participantes da produção de inúmeros itens. Excludente, porque a distribuição das oportunidades e encargos de produção cabe, preferencialmente, àqueles países que reúnem as melhores condições de infra-estrutura para a obtenção de maiores níveis de competitividade. Sem sombra de dúvida, entre os fatores imprescindíveis, o conhecimento científico e tecnológico e a capacidade de inovação são os insumos principais para o sucesso econômico consistente e auto-sustentado e que, no cenário que se descortina, estará cada vez mais apoiado no desenvolvimento tecnológico com base no conhecimento científico e na capacidade tecnológica e industrial, ou seja, o país que não tiver competência científica e capacidade tecnológica e industrial, ainda que disponha do capital, da mão-de-obra e das matérias-primas, estará condenado a gravitar em torno dos países mais competentes. Urge, portanto, que os países procurem, cada vez mais, alcançar auto-suficiência tecnológica e industrial que torne possível desenvolver os níveis de qualidade e competitividade, garantindo a permanência e/ou inserção das nações que estão inseridas no processo de globalização. Neste contexto de qualidade e competitividade, onde a questão técnica torna-se, também, uma questão estratégica, situa-se o tema denominado Avaliação da Conformidade, definida na norma ABNT NBR ISO/IEC 17000:2005 como a “demonstração de que os requisitos especificados relativos a um produto, processo, sistema, pessoa ou organismo são atendidos”. Portanto, a estratégia competitiva para a participação de um país no comércio internacional tem que, obrigatoriamente, considerar a infra-estrutura tecnológica disponível na área de avaliação da conformidade fator decisivo na aceleração ou redução da velocidade do desenvolvimento econômico, facilitando ou impedindo a participação destes países em mercados internacionais. Assim, o país deve dispor de uma infra-estrutura tecnológica capaz de atender as demandas das empresas, que necessitam submeter os seus produtos a um processo de avaliação de conformidade, para verificar se os mesmos atendem a requisitos pré-estabelecidos em normas ou regulamentos técnicos. Tal estrutura possui adicionalmente a função de proteção do Estado à entrada de produtos potencialmente perigosos à saúde e segurança de sua população, ou ao meio ambiente do país, constituindo-se deste modo como importante ferramenta estratégica de segurança nacional. Para garantir a competência dos organismos que realizam serviços de avaliação da conformidade para os consumidores, governos e empresas surge a figura da acreditação, sempre desempenhada por uma terceira empresa, diferente das demais, denominada “organismo de acreditação”. No Brasil, o único organismo de acreditação, reconhecido pelo governo federal, é o Inmetro. O Inmetro, por meio da Coordenação-geral de Acreditação (Cgcre), é responsável pela acreditação de organismos de avaliação da conformidade que atuam, ou venham a atuar, no mercado brasileiro. A acreditação é conferida pela Cgcre com base em normas internacionalmente aceitas, propiciando uma base sólida para a aceitação, nos mercados-destino, dos produtos das empresas que se utilizam dos serviços dos organismos de avaliação da conformidade acreditados. Deste modo, não apenas os consumidores, mas as empresas e os governos cada vez mais confiam em produtos que tenham sido previamente avaliados por organismos acreditados.
Description: 2 p.
Additional Description: Trabalho apresentado no I Congresso Interno do Inmetro, Rio de Janeiro, 2010.
Document type: Trabalho apresentado em evento / Paper
Unit: Coordenação-Geral de Acreditação
Appears in Collections:CGCRE | Acreditação de Organismos de Certificação
DIRAF | Meio Ambiente e Sustentabilidade

Files in This Item:

File Description SizeFormat
2010_RicardoKropfSantosFermam.pdf.pdf107,2 kBAdobe PDFUnder Embargo View/Open
Statistics

This item is licensed under a Creative Commons License
Creative Commons

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Valid XHTML 1.0! DSpace Software Copyright © 2002-2008  The DSpace Foundation - Feedback